A banalização do MAL e as doenças raras. Nunca no nosso Brasil. Jamais, sob os nossos olhos.

Adriana Dias Higa

Acabo de vomitar. Gostaria de começar este artigo de outra forma, mas não é possível. Faltam 8 dias para o evento de raras do Baresi, e teremos em São Paulo o GT do Ministério da Saúde que construiu os documentos do SUS, norteadores para a política que atenderá as estimadas mais de 15 milhões de pessoas com doenças raras no SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE,  dessas, mais da metade, crianças.

Obviamente, não é isso que me faz vomitar, isso me alegra, muito: pela primeira vez um governo olha pela pessoas com doenças raras neste país. Mas, infelizmente, isto será assunto para outro post.

Acabo de receber uma denúncia de uma página, velha conhecida, que se utilizando da noção de “humor controverso”, posta as coisas mais inconcebíveis e nojentas.  Faz piadas com o Holocausto, com a escravidão, com os mortos de Santa Maria. Hoje, me fez vomitar. Fez piadas com crianças com PROGERIA. Piadas infames, que violam o Estatuto da Criança e do Adolescente, que violam a noção de humano que aprendi dos meus mestres em Direitos Humanos, que colocam uma chaga no no meu coração. Imagens que eu não vou partilhar aqui, nem linkar, não vou dar IBOPE para estes miseráveis. Já os denunciei  a SAFERNET, a Delegados da Polícia Federal, a defensores de Direitos Humanos,a  colegas do movimento de raras.

Mas, meu coração feminino que é não suporta se calar. Esta página, nazista, não tem outro nome, escolhe motivos que me devoram: busca um gozo perverso: com o sofrimento do judeu, do negro, do gay, da pessoa com deficiência, dos mortos, dos enlutados, das crianças com doenças raras. E eu, mulher que sou, não me calarei, não posso, é a minha escolha, não posso, não permitirei que o MAL seja banalizado na minha pátria, não sob os meus olhos.

Eu pesquiso o Neonazismo há onze anos. Eles defendem a eliminação das pessoas com deficiência e com doenças raras. No regime nazista também foi assim. A Lei de pureza racial do regime hitlerista esterilizou de modo forçado mais de 260 mil pessoas com deficiência, matou a maior parte delas e eliminou 70 mil pessoas com doenças raras.

Nos sites neonazistas eles descrevem pessoas com deficiência assim:

Desta forma, as pessoas estão a promover o nascimento de crianças com síndrome de Down que eles possam ter um animal de estimação a amá-los incondicionalmente, que, na minha opinião, é inaceitável. Temos de esperar mais de membros da raça branca do que meramente a capacidade de demonstrar amor e afeto.

Em bandas nazis, é comum músicas pedirem licença para matar os incapazes. A primeira forma para justificar a morte em massa de um grupo é desumanizar este grupo, banalizá-lo, transformando-o em uma piada, em uma vida que não merece ser vivida, comparando-o a um animal. Nunca no nosso Brasil. Jamais, sob os nossos olhos.

Anúncios

6 comentários sobre “A banalização do MAL e as doenças raras. Nunca no nosso Brasil. Jamais, sob os nossos olhos.

  1. Adriana

    E vc ai ? Qual o nome da pgina para que todos possam denunciar. Amada e o evento que vai ter amanha no memorial ..vc vai ? To meio boiando ainda.. bjs

    Curtir

  2. É isto mesmo Adriana, como historiadora confirmo cada coisa que você escreveu e digo que se não tomarmos medidas energicas agora essa banalização vai se sedimentar e em breve os nazistas estarão se legalizando em países e aí a coisa vai ficar muito mais difícil para nós. Eles se aproveitam da ignorancia desta juventude vazia de conceitos e conhecimento para fazerem a lavagem cerebral preconizada por Goebles e Himmeler. Basta não podemos nos calar!!!!

    Curtir

  3. Eu não quero dar IBOPE a esse tipo de “elementos”. Dizem que o ser humano teme o que não conhece… Mas eles mostram que além de ignorantes, são frívolos, vis, e imaturos. A polícia irá encontrá-los e aí sim… verão como é tratado o “diferente” na cadeia.
    São dignos de pena, de dó!
    O que mais é possível sentir por coisas como essas escrita por “elementos” que ainda não designada na cadeia de seres vivos. Porque humanos não são.
    Cretinos, vis, insensíveis, desumanos, e o pior.. ignorantes!
    A polícia deve ser cobrada pela sociedade pela captura desses “elementos”. Isso sim é o que devemos fazer.
    Não abale-se assim Dri… há muita GENTE do teu lado, e que admiram todo esse trabalho, que acima de tudo só existe por causa dessas pessoas Raras.
    Deus, tende piedade deles… eles não sabem o que fazem!

    Curtir

Os comentários estão desativados.